Follow by Email

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Tempo de escolher *por Tom Coelho



“Um homem não é grande pelo que faz,

mas pelo que renuncia.”

(Albert Schweitzer)


Muitos amigos leitores têm solicitado minha opinião acerca de qual rumo dar às suas carreiras. Alguns apreciam seu trabalho, mas não a empresa onde estão. Outros admiram a harmonia conquistada, mas não têm qualquer prazer no exercício de suas atividades. Uns recebem propostas para mudar de emprego, financeiramente desfavoráveis, porém desafiadoras. Outros têm diante de si um vasto leque de opções, muitas coisas por fazer, mas não conseguem abraçar a tudo.

Todas estas pessoas têm algo em comum: a necessidade premente de escolhas. Lembro-me de Clarice Lispector: “Entre o sim e o não, só existe um caminho: escolher”.

Acredito que quase todas as pessoas passam ao longo de sua trajetória pelo “dilema da virada”. Um momento especial em que uma decisão específica e irrevogável tem que ser tomada apenas porque a vida não pode continuar como está. Algumas pessoas passam por isso aos 15 anos, outras, aos 50. Algumas talvez nunca tomem esta decisão, e outras o façam várias vezes no decorrer de sua existência.

Fazer escolhas implica renunciar a alguns desejos para viabilizar outros. Você troca segurança por desafio, dinheiro por satisfação, o pouco certo ao muito duvidoso. Assim, uma companhia que lhe oferece estabilidade com apatia pode dar lugar a uma dotada de instabilidade com ousadia. Analogamente, a aventura de uma vida de solteiro pode ceder espaço ao conforto de um casamento.


Prazer e vocação

Os anos ensinaram-me algumas lições. A primeira delas vem de Leonardo da Vinci que dizia: “A sabedoria da vida não está em fazer aquilo que se gosta, mas em gostar daquilo que se faz”. Sempre imaginei que fosse o contrário. Porém, refletindo, passei a compreender que quando estimamos aquilo que fazemos, podemos nos sentir completos, satisfeitos e plenos, ao passo que se apenas procurarmos fazer o que gostamos, sempre estaremos numa busca insaciável, porque o que gostamos hoje não será o mesmo que prezaremos amanhã.

Todavia, é indiscutível a importância de alinhar o prazer às nossas aptidões. Encontrar o talento que reside dentro de cada um de nós ao que chamamos vocação. Oriunda do latim vocatione, e traduzida literalmente por “chamado”, simboliza uma espécie de predestinação imanente a cada pessoa, algo revestido de certa magia e divindade. Uma voz imaginária que soa latente, capaz de converter advogados em músicos, fazer engenheiros virarem suco. É um lugar no tempo e no espaço onde a felicidade tem sua morada.

Escolhas são feitas com base em nossas preferências. E aí torno a recorrer à etimologia para descobrir que o verbo “preferir” vem do latim praeferere e significa “levar à frente”. Parece-me uma indicação clara de que nossas escolhas devem ser feitas com os olhos no futuro, no uso de nosso livre-arbítrio.

O mundo corporativo nos reserva muitas armadilhas. Trocar de empresa ou mudar de atribuição, por exemplo, são convites permanentes. O problema de recusá-los é passar o resto da vida se perguntando: “O que teria acontecido se eu tivesse aceitado?”. Prefiro não carregar comigo o benefício da dúvida. Por isso, opto por assumir riscos calculados e seguir adiante. Somos livres para escolher, porém prisioneiros das consequências.

Para aqueles insatisfeitos com seu ambiente de trabalho, uma alternativa à mudança de empresa é postular a melhoria do ambiente interno atual. Dialogar e apresentar propostas são um bom caminho. De nada adianta assumir uma postura defensiva e crítica. Lembre-se de que as pessoas não estão contra você, mas a favor delas.

Por fim, combata a mediocridade em todas as suas vertentes. A mediocridade de trabalhos desconectados com sua vocação, de empresas que não lhe valorizam, de relacionamentos falidos. Sob este aspecto, como diria Tolstoi, “Não se pode ser bom pela metade”. Meias-palavras, meias-verdades, mentiras inteiras, meio caminho para o fim.

Os gregos não escreviam obituários. Quando um homem morria, faziam uma pergunta: “Ele viveu com paixão?”.

Qual seria a resposta para você?


* Tom Coelho é educador, conferencista e escritor com artigos publicados em 17 países. É autor de “Somos Maus Amantes – Reflexões sobre carreira, liderança e comportamento” (Flor de Liz, 2011), “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional” (Saraiva, 2008) e coautor de outras cinco obras. Contatos através do e-mail tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.



terça-feira, 28 de agosto de 2012

Portal Ser Universitário

Apresento o artigo sobre nosso novo parceiro Portal Ser Universitário 

 



O Ser Universitário é um portal online que foi criado para ajudar os estudantes a escolherem cursos e a incrementar sua formação profissional.
O site oferece gratuitamente apostilas, artigos escritos por professores, entrevistas com educadores, simulados online, notícias sobre educação, feiras e eventos tudo para lhe manter informado e o ajudar a se preparar para o vestibular e curso superior de sua escolha.
Além de todas essas formas de suporte, o Ser Universitário também oferece informações sobre cada uma das profissões existentes. Portanto, se você ainda está em dúvida sobre que caminho seguir, você pode saber mais sobre as profissões que lhe atraem ao ler os resumos que o Ser Universitário disponibiliza sobre cada curso no seu Guia de Profissão. Os textos resumem a história de cada área de atuação, explicando quais são suas tarefas, obrigações e competências e dá dicas sobre o mercado de trabalho.
Falando em mercado de trabalho, na página de Guia de Empregos você pode pesquisar vagas disponíveis pelo mundo inteiro. Basta completar a barra de pesquisa com uma palavra-chave, cargo pretendido ou nome de uma empresa e escolher a cidade, estado ou país de sua preferência. Feito isso, o site irá buscar e reunir vagas de emprego ofertadas pelo mundo afora, em diversos sites de jornais e agências de recrutamento.
Como nem todas as faculdades no Brasil são autorizadas pelo Ministério da Educação, o Ser Universitário criou uma ferramenta de busca de faculdades autorizadas pelo MEC, para que você possa se certificar de que a faculdade de sua escolha está entre as instituições autorizadas antes de fazer a sua inscrição para o vestibular. Afinal, ninguém quer passar anos estudando para não ter seu diploma reconhecido pelo mercado e universidades, não é mesmo?
Através do Ser Universitário você pode ainda solicitar a sua carteirinha de estudante, que irá lhe proporcionar descontos e benefícios em diversos estabelecimentos no Brasil e em mais de 120 países.

É  tanto suporte e dicas valiosas que podemos considerar o Ser Universitário como um completo dicionário e guia estudantil.

Não perca tempo!

Visite o site do Ser Universitário e encontre a informação que você precisa. 

Compreenda o que é e quais são as vantagens de fazer um curso Preparatório para a Graduação no Reino Unido.

Se você está procurando saber quais são as melhores universidades do mundo, leia o artigo sobre a Classificação das Universidades pelo The Times.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Atenção!

Quero anunciar que hoje verifiquei Google PR (PageRank) do meu blog e fiquei muito feliz!


Comecei só 2 mêses atrás e já temos Google PR 2 que é muito bom para um blog.


Obrigada á todos visitantes e seguidores, espero que nosso serviço vai ajudar a muitos quem estão a procura de um emprego. Com ajuda de todos estamos crescendo e desenvolvendo para um futuro melhor.




segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Universitários lançam uma ‘hora’ sem computador

È dificil imaginar o mundo moderno sem internet, mas nem pensamos que uso do mesmo polui. Se quiser saber mais, leia aqui. 

Apresento um artigo dos nossos parcerios, a Campanha 1h100Pc Se Liga! Desliga. 



Projeto busca conscientizar sobre os malefícios do uso irrestrito do aparelho

Passar e-mails, ler notícias, conhecer pessoas, fazer amigos, baixar músicas, vídeos, etc. Tudo isso só é possível por causa do computador pessoal. É difícil acreditar que um dia já vivemos sem essa maravilha da tecnologia. Mas embora seja útil em diversos momentos, ele pode ser prejudicial se usado execessivamente, tanto para o ser humano quanto para o meio ambiente.
Com o objetivo de reduzir o tempo que o usuário passa em frente ao computador, e de diminuir o consumo de energia elétrica, a campanha 1h100PC foi criada em 2008 por estudantes de Publicidade e Propaganda do Unasp Engenheiro Coelho / São Paulo. O projeto sugere que as pessoas fiquem uma hora a menos em frente ao aparelho e realizem outras atividades, como exercícios físicos.
O estudante de publicidade Jonhnes Carvalho, um dos idealizadores do projeto, conta como a idéia surgiu: “No terceiro ano do curso tivemos que fazer uma campanha ideológica para um trabalho da faculdade. O meu grupo teve acessoria com o professor Luiz Henrique Santos e ele sugeriu que fizessemos uma campanha que incentivasse pequenas atitudes que beneficiassem a todos”, recorda. A partir disso, decidiram criar um projeto que fosse sustentável e, ao mesmo tempo, trouxesse benefícios pessoais. Foi então que surgiu a idéia do 1h100PC.
A campanha conta com a utilização de comunidades virtuais como o Orkut,  Twitter e uma página oficial no Facebook (www.facebook.com/1h100pc), além do blog 1h100PC.blogspot.com. “No blog postamos várias notícias com temas relacionados a sustentabilidade”, afirma Carvalho. Os idealizadores do projeto tem o intuito de interagir mais com os participantes: “Estamos com uma meta de 1 milhão de pessoas participando até 2016”, anuncia.
A campanha já conta com a participação de vários estudantes, como Robson Fonseca: “Comecei a participar este ano. Resolvi trocar o computador pela academia, pois costumo ficar em frente ao aparelho o dia inteiro”, afirma. O estudante de Comunicação Social relata os benefícios desta troca: “Eu tenho benefícios tanto físicos quanto psicológicos, pois quando não fico na frente do computador, minha mente distrai, não fico tão extressado”, afirma.